Na Prática

ADAPTAÇÃO OU MORTE! Com o coronavírus, as marcas precisam se reposicionar!

Nos últimos dias, acompanhamos mudanças bruscas no consumo, nas relações, na economia e na sociedade. E essas mudanças trouxeram junto um cenário sombrio e nebuloso de incertezas e prejuízos, principalmente para as marcas.

Mas saiba nem tudo está perdido! Existem métodos simples que podem diminuir esse impacto e, ao mesmo tempo, renovar a percepção que o público tem da sua marca. Quer saber como fazer isso? Continua lendo aqui!

O papel das marcas durante a crise

O consumo desenfreado já se foi, e nós entramos na era do consumo consciente. Ao menos para a maioria das pessoas, com o fluxo contínuo de informações nas últimas décadas, elas consomem muito mais do que somente produtos e serviços. O consumo se volta para o relacionamento, para a responsabilidade. É um consumo de valores, de propósito. Com o grande número de marcas competindo entre si no mercado, ganha aquela que conseguir estar mais presente de forma positiva no cérebro do público.

Por isso, uma das estratégias mais adotadas nos últimos dias frente à crise do coronavírus é a de presença. As marcas abandonaram as vendas agressivas e adotaram uma postura genuína de colaboração, humanização, responsabilidade social e retorno à sociedade.

Essa mudança brusca no consumo e nas relações fez com que o público passasse a entender o seu poder, forçando as marcas a se posicionarem naturalmente dessa forma. O consumidor disse chega à marcas sem propósito e responsabilidade.

Posicionamento é rei

Um bom exemplo foi a Magazine Luiza, em uma sequência repleta de valores e responsabilidade social. Primeiro, a empresa fez uma doação de R$10 milhões para o combate de coronavírus, dobraram o auxílio-creche de seus funcionários e doaram monitores cardíacos, ventiladores e colchões para as unidades de saúde.

Em seguida, eles lançaram duas plataformas de vendas grátis para autônomos e pequenas empresas. Esse posicionamento certeiro fez a marca ganhar relevância e confiança, ficando gravada na mente das pessoas de forma positiva. 

Mas é claro, nem todas as empresas brasileiras têm condições de fazer ações dessa magnitude, e está tudo bem! Uma forma de se posicionar nessa situação, transmitindo confiança e tranquilidade para o público sem a necessidade de desembolsar grandes quantias, é apenas ressaltar o que você anda fazendo para o bem dos seus funcionários e da sociedade.

Por exemplo, o episódio onde as marcas romperam a parceria com a influencer que deu uma festa durante a pandemia. Essa também é uma forma de se posicionar e ser visto como verdadeiro pelo seu público.

Em um momento como esse, a única coisa que as marcas não devem fazer, é ficar em silêncio!

Adaptar para sobreviver

É inevitável que, durante uma crise, prejuízos aconteçam à marcas de todos os tamanhos e de todos os segmentos. Por isso, se adaptar em tempos sombrios é imprescindível para sair dessa com o caixa saudável.

Ficar presente na mente do seu público com informações, conteúdos relevantes, com vídeos institucionais, tranquilizando a sociedade também é uma forma de adaptação. Sair da sua zona de conforto e oferecer uma alternativa às vendas, permanecendo do lado do seu cliente até o momento que ele poderá comprar, pode ser uma estratégia. 

E nessa estratégia, você pode e deve inovar. Saia da sua zona de conforto e pense fora da caixa. Veja o que você pode fazer para minimizar os danos pra você e para o seu público. 

Você pode se surpreender com o resultado quando a crise passar.

Quer saber mais sobre o impacto do coronavírus no marketing? Leia mais no nosso artigo sobre isso.

Você sabia que a audiência no Facebook e no Instagram aumentou 40% nessa pandemia? Mas para se destacar na rede, não basta estar presente. Tem que saber se posicionar! Faça uma avaliação com a gente e descubra como podemos fazer você gerar negócios.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Translate »
Share This