Quando se fala em geração de conteúdo para uma marca, é preciso se pensar em algumas coisas. Fazer um texto dentro do inbound marketing não é somente escrever algo ou fazer um texto vendendo diretamente o seu produto. São trabalhadas a atração e a sedução pouco a pouco, buscando criar um relacionamento. Então vai ser preciso pensar em como fazer o conteúdo ter essa pegada. A esse planejamento damos o nome de copywriting.

 

O que é copywriting?

Em poucas palavras, é a técnica de escrever textos com objetivos de realizar uma venda, promover um negócio ou produto, utilizando palavras que vão levar o leitor a realizar uma decisão. Ou seja, você vai escolher cuidadosamente a forma como fala, os termos utilizados e o assunto, para que seja atrativo para um público.

Isso significa que você não pode sair “metendo o loco” e escrevendo de qualquer jeito, é preciso estratégica. Você tem que pensar no objetivo daquele texto, qual dúvida ou problema do seu público isso vai solucionar. Não adianta colocar assuntos da moda, usar um meme super em alta se não vai favorecer a forma de vender o seu produto ou serviço.

É preciso muita prática pra escrever de uma forma a vender no conteúdo, mas sem ser explícito, pois o marketing digital não é assim. Tem que vender a ideia, criar uma necessidade de um produto ou ideia. Além disso, é preciso fazer com que o visual do texto seja atrativo. Para isso, usamos a escaneabilidade.

 

Escaneabilidade

Na internet, as pessoas não lêem um conteúdo muito extenso, denso e difícil de ver. Muitas vezes elas fazem somente uma leitura dinâmica, vendo de forma visual o conteúdo. Algumas vão direto para algum subtítulo que lhe chama a visão ou lhe responde uma dúvida. O texto tem que ser agradável de ler e facilitar o entendimento do leitor também em sua formatação. Para isso damos o nome de escaneabilidade. Para aplicar isso em um texto, utilizamos algumas técnicas.

 

  • Subtítulos:

    serve de subdivisão do texto, facilita o leitor saber onde ele parou no texto, caso precise pausar a leitura. Também auxilia na relevância do seu site no SEO.

 

  • Divisão de parágrafos:

    na internet as pessoas não conseguem ler um parágrafo muito extenso. O ideia é que cada um tenha de 3 a 6 linhas, para que a leitura seja fluida e a pessoa tenha vontade de ler.

 

  • Objetividade:

    não adianta escrever um texto enorme, falando sem falar nada. Tem que dar ao seu cliente aquilo que você prometeu no título. Ofereça conteúdo relevante que responda aos anseios de quem está impactando. Colocar coisas que todo mundo já sabe, não está com nada. Desenvolva textos que ofereçam alguma coisa nova, que agregue valor à leitura.

 

  • Formatação:

    invista em formatos diferentes. Além de dividir em intertítulos e pequenos parágrafos, use do negrito para dar destaque a informações relevantes. Itálico para mostrar uma palavra em língua estrangeira. Bullet points e listas numeradas também ajudam na assimilação do conteúdo. Evite uma formatação chata com somente texto corrido.

 

  • Lei do F:

    estudos comprovam que os lugares de mais visualização em uma tela, toma o formato da letra F. Não é magia, é tecnologia! Se você colocar mídia, assim como os trechos mais atrativos do texto bem nos pontos de destaque, tem muito mais chances de convencer o leitor de que vale a pena ler o seu texto até o final.

 

 

Mas, antes disso, o redator vai precisar de informações relevantes que possam lhe indicar o caminho a seguir na hora de escrever o texto. Primeiro, ele vai precisar conhecer a persona da marca e a linguagem utilizada por ela. Para qual etapa do funil aquele texto deve ser direcionada e a relevância que o tema tem para o público, também são necessários.

Seguindo esses passos, vai ficar fácil escrever conteúdo para sua marca com relevância e conseguir gerar impacto nas suas vendas.

 

Gostou do texto? Já aplica isso nos seus posts? Conte pra gente nos comentários. Talvez queira saber mais sobre persona neste post aqui.