Hoje tem-se falado muito em feminismo e empoderamento feminino. Com muita garra, as mulheres peitaram a luta pela igualdade e ainda hoje estão em processo de tomar seu espaço no meio social e profissional. Na área criativa não é muito diferente, a mulherada está criando asinhas e se firmando em toda competência conferida.

Mesmo assim, ainda é super difícil encontrar uma mulher pilotando um computador na parte de criação, principalmente na direção de arte. Aqui na Amblard, é meio a meio. Cinco mulheres e cinco homens. E, deste time feminino, duas fazem direção de arte, e mandam MUITO bem, no quesito arte e XÔ PRECONCEITO.

Por isso, chamamos as duas pra uma conversa. Confira aqui embaixo o que essa mulherada revelou pra gente, sobre ser artista publicitário, num meio em que pouco se vê isso acontecer.

 

Mulher sim, competente também

Lariani (22) diz nunca ter sofrido preconceito, mas que sempre há uma certa hostilidade, sugerindo que é uma estagiária/aprendiz, mas nunca uma profissional na área. Mesmo assim, não tem dúvidas de que esta é sua praia e que ainda pretende curtir muito este sol.

A Izabel (29), por sua vez, afirma já ter conhecido o preconceito de muito perto, por ser mulher e, também, por ser mãe. “Um ex-chefe me perguntou: ‘você quer ser uma boa profissional ou ser mãe?’, como se não desse para conciliar as duas funções”, afirma a diretora de arte. Iza ainda reforça a ideia de que existe um pré-conceito de que pra ser um criativo, você precisa ser homem.

Mesmo num cenário adverso, ambas afirmam levar isso numa boa e se dispõe a argumentar e tirar qualquer dúvida que alguém, com discurso machista, tiver. Afinal, não têm dúvida quanto sua posição profissional.

Iza ainda deixa uma mensagem para as mulheres que desejam ingressar em publicidade: siga em frente, estude, pesquise sobre a área, pois sempre aparecerá alguém dizendo que você não é capaz, que a área está saturada, enfim, para bons profissionais sempre tem mercado.

 

Recadinho show

Nossos redatores e atendimento não ficaram de fora da discussão, dá uma olhadinha no que eles disseram:

Eu sempre trabalhei com mulheres na criação. Já tive duas diretoras de criação e em todas as agências que trabalhei tive colegas mulheres. O que tenho pra falar é que elas são show, tem uma sensibilidade e um cuidado com os detalhes acima do normal. São mais caprichosas e são essenciais no setor de criação. Elas fazem a diferença! (Renato, 34. Redator – 2016.)

É a primeira agência que vejo a mulherada no setor de criação. Sempre vi em planejamento, estratégia, mídia e atendimento, mas na direção criativa é novidade. Não me espanto, elas são criativas, têm olho clínico pra detalhes e se dedicam tanto quanto um homem. Fico feliz de dividir a mesa da criação com essa galera. (Guilherme, 23. Redator – 2016.)

Não é pro layout ser mais rosa, nem ter mais flores. Não é pro texto ser mais romântico ou o apelo mais sentimental. É porque elas são feras! Dedicadas, criativas e comprometidas. Mulheres na criação, sim. Sempre, por favor! (Caroline, 33. Atendimento – 2016.)

 

E você: já sofreu, sofre ou viu alguma mulher sofrer preconceito no ramo criativo? Conta pra galera aqui nos comentários e dê sua opinião sobre este assunto, que a gente vai amar ler o que você tem a dizer pra essa mulherada que tem arrasado no mercado de trabalho publicitário.