Esse é um post que os grandes pseudo gurus do marketing digital não querem que você leia. Nele, vamos desmascarar os maiores mitos do marketing digital e vamos fazer de você o nosso aprendiz de Mister M. Vamos descobrir como dividir uma mulher em 4, quer dizer, coisas que dizem por aí, mas que não tem nada a ver. Confira 6 mitos do marketing digital:

 

Mito 1 – É um desperdício investir em links patrocinados e mídia paga

Ora, ora, mago dos links! Sem investimento, uma empresa vai perder grandes oportunidades de impactar os seus clientes em lugares que possivelmente os concorrentes já estão.

É como ter uma loja na rua principal da cidade, mas não divulgar. Vai ser igual a todas as outras. Da mesma forma, se você tiver página no Facebook e não investir, ninguém vai receber o conteúdo da sua marca. Não adianta você ter uma página na internet, se não investir em direcionar as pesquisas para ela. Tudo isso precisa acontecer dentro de uma segmentação correta e um planejamento de mídia.

 

Mito 2 – Investir em somente um canal já é suficiente!

Não se iluda paladino mascarado! As pessoas utilizam diversas plataformas na internet: Facebook, Instagram, Twitter, YouTube, entre outras. Logo, não dá mais pra ficar em somente um lugar. É preciso ter em mente as etapas da jornada de compra do seu consumidor e o seu comportamento.

No início faça testes de pequeno investimento de curto prazo em outros canais, para análise e possível reestruturação do planejamento. Essa diversificação possibilita inovar em um novo canal e estar à frente de seus concorrentes em um mercado de lance competitivo.

 

Mito 3 – Ninguém lê e-mails

Como assim, paladino mascarado? Você não precisa de um e-mail para usar a Google Play, Apple Store, Amazon? E para usar o Facebook, Instagram e outras redes? Então, todo mundo lê e-mails! O que acontece é que as pessoas não querem ler e-mails de assuntos que não lhes interessam.

Quando se conhece o remetente e sabe o conteúdo do e-mail, o público engaja. Para isso, é preciso realizar um planejamento de campanha de e-mail marketing e fazer isso do jeito certo. E olha que mesmo assim, quando planejado, uma boa taxa de abertura de e-mail é cerca de 50 a 60%.

 

Mito 4 – Quantidade é qualidade

Ah, Mister M! Não é nada disso! Se você mandar conteúdo irrelevante para milhares de pessoas e ninguém abrir, não vai gerar retorno, nem vendas. Muito melhor divulgar para 100 pessoas que estão realmente interessadas e poderão virar seus clientes. A automação é algo necessário, mas não significa apenas disparar e-mails em massa. Isso quer dizer que você consegue engajar volumes grandes de leads e consegue personalizar para alcançar bons resultados.

Mais uma vez, a personalização é mais que essencial. Todo mundo quer ser tratado de uma forma pessoal e direta e isso também influencia na hora de ser tratado como spam. Já que são muitas as empresas que tentam chamar a atenção na sua caixa de entrada.

 

Mito 5 – Marketing de Conteúdo é exclusivo da internet

Nada disso! Todo tipo de informação produzida por uma marca com o objetivo a divulgar conteúdo de interesse de um público ao invés de vender a empresa, é marketing de conteúdo.

Claro que com o Inbound Marketing isso ficou ainda mais evidente, mas não é de agora que essa ferramenta existe. Ela apenas ficou em destaque recentemente por isso.

 

Mito 6 – Marketing de Conteúdo é sobre a empresa

Nana, nina, não! Esse é um dos principais erros que os “gurus” e entendidos por aí cometem. Marketing de conteúdo não é sobre a empresa. Ele é sobre o interesse da persona!

Envolve tudo o que se trata de problemas, dúvidas, curiosidades, necessidades e a realidade da persona. Ela é utilizada para educar e fidelizar o público-alvo sobre o assunto do seu nicho. Isso vai gerar credibilidade e influência com o seu público na hora da decisão de compra.

Você vai criar conteúdo de forma a ser encontrado quando as pessoas procurarem saber sobre um determinado assunto. Ou elas serem impactadas pela sua publicação e despertar um interesse sobre determinado assunto.

E aí, pronto para sair por aí, desmascarando os mitos do marketing digital? Que tal saber mais sobre inbound marketing? Deixe o que você achou do texto nos comentários!