Você com certeza já está habituado a assistir vídeos no YouTube, acompanhar shows ao vivo, vídeos de comédia do seu canal de humor favorito e até documentários e programas de TV. Mas, isso é coisa muito recente. Até 2005 era muito difícil compartilhar vídeos pela internet, primeiro pela velocidade da rede e também pela falta de uma plataforma específica para isso. É sobre isso que vamos tratar no post de hoje.

 

Um jantar que mudou o mundo

Um jantar pode mudar a vida de muita gente, ou a vida de todo o mundo. Em fevereiro de 2005, os amigos Chad Hurley e Steve Chen, funcionários de uma empresa de tecnologia decidem criar um programa de computador para compartilhar vídeos. Nasceu nesse momento, o YouTube. 20 meses depois, eles venderam a sua ideia por US$ 1,65 bilhão para o Google.

Hoje você e todo mundo que acessa a internet conhece e acessa o tempo todo para ver vídeos em muitas línguas e formatos. Mas nem sempre foi assim. Vamos dar uma olhada nos avanços que a rede realizou ao longo dos anos.

 

O início difícil

Tudo começou com vídeos feitos em uma confraternização e não havia uma ferramenta de compartilhar o conteúdo por e-mail. Assim, Chad e Steve decidiram criar uma plataforma de compartilhar vídeos, se unindo a Jawed Karim. Tudo começou muito tímido, com um vídeo do próprio Jawed no zoológico, publicado em abril de 2005, com o site em Beta.

A ideia era tão boa, que na mesma época existiam centenas de outras plataformas oferecendo o mesmo tipo de serviço. Mas, aí já entrou a diferença competitiva: todas as outras eram muito difíceis de usar. No YouTube você não precisava se preocupar com os famosos codecs (formatos de compactação de vídeos). Era só upar e pronto! Ele também exibia a quantidade de views e permitia incorporar em outras plataformas e sites.

Tudo era muito simples. Você não podia sequer escolher qual vídeo assistir. Você dava play e a plataforma exibia os vídeos para você.

 

O criador de virais

Em setembro de 2005, surgiu o primeiro viral do YouTube e teve a participação de brasileiro. Era um comercial da Nike estrelado pelo craque Ronaldinho. Foi o primeiro vídeo a ultrapassar um milhão de visualizações.

Em dezembro do mesmo ano, eles receberam um investimento de US$ 3,5 milhões, aumentando a largura de banda, saindo do modo beta. Já eram enviados diariamente 8 terabytes de dados.

Já no ano seguinte, o YouTube passou a fazer parte da cultura dos EUA, quando o programa Good Morning America passou a dedicar tempo exclusivo para os virais da plataforma. Nessa época surgiu o Evolution of Dance, que foi o visto mais assistido na rede, até 2010, com 131 milhões de visualizações. Em junho de 2016, o site recebia 80 milhões de visualizações por dia.

 

A compra pelo Google

Com todo o sucesso que estava fazendo, o YouTube atraiu os olhares de muitas grandes empresas de tecnologia. Depois de muita disputa entre gigantes, acabou sendo adquirido pelo Google pela bagatela de US$ 1,65 bilhões (quase o valor de investimentos do Brasil em segurança na Copa de 2014).

O sucesso da plataforma apresentava alguns desafios, como a monetização e a questão dos direitos autorais, que poderiam derrubar o YouTube. Tanto que depois da aquisição eles retiraram da plataforma cerca de 30 mil vídeos protegidos por copyright. Para evitar problemas posteriores, eles criaram o Google ID Content, que já filtra o conteúdo protegido e dá ao criador a possibilidade de ganhar a receita do vídeo, ou retirá-lo do ar.

 

Publicidade e Vevo

Em 2007, eles lançaram o programa de parceria que pagava criadores por conteúdo viral. Isso estimulou o envio de vídeos e crescimento da plataforma, mesmo com a restrição de conteúdo protegido por direitos autorais. Nessa mesma época eles introduziram anúncios com banners transparentes na parte inferior dos vídeos. Isso acabou evoluindo para os formatos que encontramos hoje na plataforma.

Em 2009, para combater a reclamação das gravadoras de que eles incentivavam a pirataria, foi criado o Vevo, em parceria com essas empresas. Isso aumentou o conteúdo liberado de músicas e videoclipes, conseguindo ainda mais visualizações.

Para mostrar de vez seu potencial, em dezembro de 2012 aconteceu um fato inédito. A música Gagnam Style atingiu mais de 1 bilhão de visualizações, forçando a plataforma a mudar o algoritmo de visualizações. O limite foi estourado! Atualmente o vídeo tem mais de 2 mil milhões de visualizações.

 

O YouTube hoje

Atualmente a rede tem mais de um bilhão de usuários, cerca de um terço de usuários da internet. Mais da metade das visualizações são feitas em dispositivos móveis. É possível navegar em até 76 idiomas diferentes (alcançando cerca de 95% dos usuários da Internet).

Hoje é possível fazer transmissão de eventos e acontecimentos em tempo real, além de publicar vídeos de qualquer duração. É uma plataforma completa, sendo considerado o segundo site mais visitado do mundo (segundo o Alexa).

 

Tudo isso faz da plataforma uma opção a ser considerada na plataforma de divulgação digital da sua empresa. E aí, o que achou? Você usa o YouTube para quê? Conta pra gente nos comentários.